16 de jan de 2009

O DRAGÃO



Cobre a cara do dragão
uma nuvem e um senão
uma ruga na expressão
bem na testa
funda à beça
sinal de preocupação.
O dragão quer dançar
uma valsa no salão,
mas valsa é dança
especial, que ninguém
quer dançar só
tem que ter um par
e o dragão não tem
ninguém
é sozinho que só
vendo.
Fica, então, sentado
nos degraus gelados
de um armazém de biju,
chorando lágrimas
quentes ao som do
Danúbio Azul.

Alzira Chagas Carpigiani

Nenhum comentário:

Postar um comentário