24 de ago de 2012

A FESTA DOS BICHOS NO JARDIM


Houve uma festa no jardim,
Lá no fundo do quintal.
Foi mais ou menos assim:
Parecia um arraial!



Pernilongo com o violino,
Dava o tom para a cigarra,
Que cantava alegres hinos.
Fazendo uma grande farra!

Voava sobre as flores,
A borboleta faceira...
Que com suas asas multicores,
Coloria a festa inteira!

A lagarta só comia,
As folhas do pé de salsa.
Era tanta a sua alegria,
Que não quis dançar a valsa...

Na sua teia, preguiçosa,
Ficava a gentil aranha.
Que naquela festa maravilhosa,
Deixou de lado a sua artimanha.

Ninguém quis ficar de fora
Desta festa alucinante.
Até o tímido tatu bola,
Não se embolou como antes...

A formiga era quem servia,
As guloseimas do buffet.
Fazia com tanta maestria,
Que nem pensava em comer!

A abelha não fez doce,
E bailava pelo céu...
Fosse como fosse,
Hoje não haveria mel.

E a linda joaninha,
Veio toda elegante!
Mas, preferiu ficar sozinha,
Num canto meio distante...

 
Já a pegajosa lesma,
Era pura emoção...
Bailava consigo mesma,
Deixando um rastro no chão.

A pulga pulava feito louca!
Numa só animação.
Ninguém lhe calava a boca,
Vergonha ela não tinha não.

 
Num outro canto do “salão”,
Trocando uma forte ideia,
Estava o senhor pulgão
Com a animada centopéia.

A lagartixa espiava,
Com cara de azedume.
Enquanto lhe ofuscava,
O piscar do vaga-lume!

De repente escondeu-se o sol...
E ouviu-se um grande grito!
Reconheceu-se o lépido caracol
Era a voz do mosquito:
 
“Olha a chuva que vem vindo!”
Foi aquela confusão.
Acabou-se o baile tão lindo,
Esvaziou-se o nobre salão!

E a chuva veio forte!
Cada bicho foi pra sua toca.
Só quem achou que teve sorte,
Foi a dançante minhoca!

Que dançou a tarde inteira,
No meio do temporal...
Essa história é verdadeira,
Aconteceu no meu quintal.
 
Co-autoria   César Augusto, Anna Carolina, Clara Christina e Francineide Maria)
 
Fonte: www. recantodasletras.com.br/poesias/       

24 de mar de 2012

DUAS DÚZIAS DE COISINHAS QUE DEIXAM A GENTE FELIZ:

Gato andando no telhado, cheirinho de mato molhado, disco antigo sem chiado.
Pão quentinho pela manhã, drops de hortelã, grito do tarzan.
Tirar a sorte no osso, jogar pedrinha no poço, um cachecol no pescoço.
Papagaio que conversa, pisar em tapete persa, eu te amo e vice-versa.
Vaga lume aceso na mão, dias quentes de verão, descer pelo corrimão.
Almoço de domingo, revoada de flamingo, herói que fuma cachimbo.
Anãozinho de jardim, laço de cetim, ter uma amiga querida assim.
(poeminha de Otávio Roth)


 

CHEGUEI À JANELA

Cheguei à janela,
Porque ouvi cantar.
É um cego e a guitarra
Que estão a chorar.

Ambos fazem pena,
São uma coisa só
Que anda pelo mundo
A fazer ter dó.

Eu também sou um cego
Cantando na estrada,
A estrada é maior
E não peço nada.

(Fernando Pessoa)

 

BRINCAVA A CRIANÇA

Brincava a criança 
Brincava a criança
Com um carro de bois.
Sentiu-se brincado
E disse, eu sou dois !

Há um brincar
E há outro a saber,
Um vê-me a brincar
E outro vê-me a ver.

Estou atrás de mim
Mas se volto a cabeça
Não era o que eu qu'ria
A volta só é essa...

O outro menino
Não tem pés nem mãos
Nem é pequenino
Não tem mãe ou irmãos.

E havia comigo
Por trás de onde eu estou,
Mas se volto a cabeça
Já não sei o que sou.

E o tal que eu cá tenho
E sente comigo,
Nem pai, nem padrinho,
Nem corpo ou amigo,

Tem alma cá dentro
'Stá a ver-me sem ver,
E o carro de bois
Começa a parecer.
(Fernando Pessoa)

 

4 de fev de 2012

COELHINHO DA PÁSCOA

Coelhinho da páscoa, o que trazes pra mim?
Eu trago os meus achados e perdidos
A paz que anda nas calçadas sem fim,
O amor desencontrado pela solidão,
Esperança  anunciando um rumo a seguir;


Coelhinho da páscoa, o que trazes pra mim?
Eu trago os meus achados e perdidos
O sorriso da criança,
O gesto caloroso do amigo sincero,
A clareza dos sentimentos entre as pessoas.


Coelhinho da páscoa, o que trazes pra mim?
Eu trago os meus achados e perdidos
A solidariedade presente em cada coração,
Respeito pela vida reverenciado em cada ser,
O carinho das mães pelos filhos;


Coelhinho da páscoa, o que trazes pra mim?
Eu trago os meus achados e perdidos
As orações diárias de milhões de pessoas,
O desejo de harmonia, compreensão e paz,
O prazer para que o dia seguinte seja muito melhor;


Coelhinho da páscoa, o que trazes pra mim?
Eu trago os meus achados e perdidos
O ovo de chocolate simbolizando a fartura,
A compreensão entre os povos,
As palavras de Fé em Deus;


Coelhinho da páscoa, o que trazes pra mim?
Eu trago os meus achados e perdidos
Um minuto de silêncio com um pedido,
Que as pessoas se encontrem no amor e na Fé,
Que se respeitem não só na PÁSCOA, mas a cada dia.
(Celso Gabriel de Toledo e Silva)

CONFISSÕES DE UM LIVRO

Amanhece
O primeiro raio de sol aparece
O raio do meu despertar
E eu desperto pra vida
Tudo em mim também amanhece
Sou dia novo que acontece
Dia alegre de esperança
Dia feito criança
E ao longo de minha tarde
As emoções a bailar
Idéias que vão brilhar
Mistérios pra desvendar
Enfim quando anoitecer
Sou última página a virar
De tudo que fui,
Um pouco
Para sempre vai ficar.
(Iêda Maria Kucera)

3 de fev de 2012

SÚPLICA DO LIVRO

1. Não me manuseie com as mãos sujas!

2. Não rabisque em minhas páginas!

3. Não rasgue nem arranque as folhas!

4. Não apoie o cotovelo no texto, durante a leitura!

5. Não me abandone sobre cadeiras ou noutros lugares impróprios!

6. Não me deixe com a lombada para cima!

7. Não coloque entre as minhas páginas objeto algum que seja mais espesso que uma folha de papel!

8. Não dobre o canto das páginas para marcar o ponto em que parou a leitura! Use para isso um marcador apropriado.


(Desconheço o autor)

1 de fev de 2012

CONTAGEM

A galinha do vizinho
Bota ovo amarelinho
Bota um,bota dois, bota três, etc.



1 - 2 - 3 - Bom dia Sr. Francês
4 - 5 - 6 - Bom dia Sr. Inglês
7 - 8 - 9 - O garotinho se move
10 - 11 - 12 - E cumprimento com pose.



1 - 2 - 3 - 4 - O gato pulou no prato
5 - 6 - 7 - 8 - Ia furtar um biscoito
9 - 10 - 11 - 12 - Mamãe bateu-lhe sem dó
                            Com o ponto do cipó
                            Saiu o gato a miar
                            Quem te ensinou a roubar?


1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - 8 - 9
10 ovinhos tem o ninho
1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - 8  - 9
Agora são dez pintinhos
Tão macios e amarelinhos!
Bom dia, lindos pintinhos!


 

O CARNEIRO DE MARIA

Maria tinha um carneiro
Era todo bem branquinho
Por onde a menina andava
Ia atrás o carneirinho.



31 de jan de 2012

PIÃO

Roda, roda
meu pião
Bem encima da minha mão.

ARANHA TATANHA

Aranha tatanha
Aranha tatinha
Aranha que arranha
A minha casinha.

ORAÇÕES

Anjo da minha guarda,
Doce companhia
Não me desampares
Nem de noite, nem de dia.

Fotos de anjo da guarda

Meu bom Jesus verdadeiro
Filho  da Virgem Maria
Me acompanha esta noite
E amanhã por todo dia.



Com Deus me deito
Com Deus me levanto
Com graça de Deus
E do Espírito Santo.



Anjo da minha guarda,
Que me  protege e ilumina,
Ajude-me todo dia
A ser uma boa menina.

PEIXE

Peixe, peixinho
Me ensina a nadar
Quero ver as belezas
Do fundo do mar.

JANGADA

Minha jangada do vale?
Que vento queres levar?
Aqui no meio das ondas
Das verdes ondas do mar.
(Juvenal Gelano)

GATA XADREZ

É branca a gata gatinha,
É branca como a farinha.
É preto o gato gatão,
É preto como o carvão.
Os filhos, gatos gatinhos,
São todos aos quadradinhos.
Os gatinhos branquinhos
Fazem lembrar a mãe gatinha,
Que é branca como a farinha.
Os quadradinhos pretinhos
Fazem lembrar o pai gatão,
Que é negro como o carvão.
Se é branca a gata gatinha
E é preto o gato gatão,
Como é que são os gatinhos?
- Os gatinhos, eles são,
São todos aos quadradinhos
(Sidónio Muralha)

BOA NOITE

A zebra quis ir passear
mas a infeliz foi parar a cama
- Teve que se deitar
porque estava de pijama.

FOLHINHA VERDE

Folhinha verde
Está quietinha
Parada no ramo
sem balançar.
Vem o vento ligeirinho
Sopra de lá
Sopra de cá
Folhinha verde
balança no ramo
Prá lá
Prá cá
Prá lá
Prá cá.

29 de jan de 2012

ELFOS

Elfos comem o perfume
das flores trazido pelo
vento,
comem os mais belos
pensamentos,
e as cores do dia
que o galo faz.
Comem o canto do galo,
as melodias dos pássaros
azuis,
comem a luz que cintila
na folha cheia de orvalho.
Elfos comem a sombra da lua,
o brilho da estrela
que já não existe mais.
das flores trazido pelo vento,
comem os mais belos pensamentos,
e as cores do dia que o galo faz.
Comem o canto do galo,
as melodias dos pássaros azuis,
comem a luz que cintila
na folha cheia de orvalho.
Elfos comem a sombra da lua,
o brilho da estrela 
que já não existe mais.
(Roseana Murray)


FADAS E BRUXAS


Metade de mim é fada,
a outra metade é bruxa.
Uma escreve com sol,
a outra escreve com a lua.
Uma anda pelas ruas
cantarolando baixinho,
a outra caminha de noite
dando de comer à sua sombra.
Uma é séria, a outra sorrí;
uma voa, a outra é pesada.
Uma sonha dormindo, 
a outra sonha acordada.
(Roseana Murray)

28 de jan de 2012

AS FADAS

Hoje, convidei as fadas
para alegrar você.
Ah! Fadas existem
Vivem a nos presentear.
Nas manhãs,
tocam os botões
que perfumam os jardins.
Fazem as ondas no mar dançar
e tingem o céu de anil.
Nas tardes, conduzem
os pássaros que
voam rumo ao ninho.
Nas noites...
Pincelam o céu de estrelas
pra ver a lua sorrindo.
E voam ao seu redor...
Cobrem de luz o seu cantinho...
(Sirlei L. Passolongo)