17 de jan de 2012

BAILE DE INVERNO

Havia um baile de alegres rosas,
Jasmins, hortênsias, e a par e par
Esguios grilos e mariposas
E outros insetos. Tudo a bailar.

Música - uns finos leves arruídos,
Flébeis violinos, flautins, rabis,
Imperceptíveis aos teus ouvidos
E aos meus ouvidos, por tão subtis.

Frio de serra no mês dos frios,
Lívido em meio da névoa o luar,
E enamorados e em rodopios
Flores e insetos tudo a bailar.

Súbito param: dentre a ramada
Um som tristíssimo, um ai. Passou.
Foi nada, apenas foi de cansada
Uma camélia que desmaiou.
(Alberto de Oliveira)

Nenhum comentário:

Postar um comentário